Varicocele

Varicocele, também chamada de varizes do escroto, é a dilatação das veias do cordão espermático, estrutura facilmente palpável na raiz do escroto. O sangue venoso corre em direção ao coração. Algumas veias possuem válvulas que impedem o sangue de correr em sentido contrário, por força da gravidade ou outros fatores. Na varicocele, as válvulas das veias do cordão espermático são incompetentes ou inadequadas, permitindo que o sangue reflua e nelas se acumule, provocando dilatação das veias correspondentes. A varicocele pode ocorrer em um ou ambos os lados do escroto, sendo que é cerca de 90% mais freqüente do lado esquerdo, por razões anatômicas. Incide em cerca de 15% da população masculina geral e em aproximadamente 40% dos homens inférteis. Ocorre principalmente dos 15 aos 30 anos de idade.

 

 


O diagnóstico da varicocele é realizado a partir do exame físico, onde o médico pede para o paciente fazer força com o abdome e, nesse momento, tenta-se identificar a presença de enchimento sanguíneo nos vasos do cordão espermático. Há casos, como na foto abaixo, que somente a visualização direta do  já fornece o diagnóstico.

 

 

A varicocele se desenvolve lentamente e pode ser assintomática. Segundo seu grau de desenvolvimento, a varicocele classifica-se em pequena, moderada ou grande. A varicocele unilateral (de um testículo apenas), poderá afetar o testículo oposto, levando assim à infertilidade. As causas da varicocele são multifatoriais; algumas compreendidas, outras, nem tanto. O aparecimento súbito de varicocele em homens mais velhos pode dar-se por compressão venosa ligada a tumores de órgãos abdominais. Não existe prevenção adequada. A varicocele já existente estabiliza-se ou progride.

 

A varicocele pode determinar:

 

1- Presença de veias dilatadas, visíveis e palpáveis na região escrotal;

2-Dor escrotal em peso;

3-Atrofia dos testículos;

4-Diminuição da fertilidade, independente do seu grau de desenvolvimento.

  

Porém, nem todos os que possuem varicocele sofrerão danos à função testicular. Muitos pacientes com varicocele são assintomáticos e férteis. Raramente são necessários exames complementares para o diagnóstico. Quase sempre, história, exame físico e análise do sêmen pelo espermograma são suficientes. Entretanto, a varicocele é uma das causas mais conhecidas de diminuição ou alteração da função testicular germinativa, tanto que é identificada em 40% dos homens inférteis. Além disso, é o fator identificável, passível de correção cirúrgica, mais comum nos homens inférteis. Nem a presença de varicocele nem seu tratamento clínico ou cirúrgico afetam adversamente a libido ou função erétil peniana (potência sexual), já que o dano eventualmente causado dá-se apenas na esfera reprodutiva.

 

O modo como a varicocele afeta a fertilidade pode ser assim explicado:

   

1-A elevação da temperatura escrotal pela dilatação e refluxo do sangue, altera a função das células germinativas dos testículos, produtoras dos espermatozóides.


 

2- As alterações da circulação venosa escrotal diminuiriam a concentração de oxigênio para as células germinativas.


 

3- O refluxo de sangue traria consigo substâncias tóxicas resultantes do metabolismo de outros órgãos, com efeitos deletérios sobre a função testicular.

 

 


 

Grande parte dos portadores de varicocele não necessita de tratamento. Aqueles com dor testicular, podem ser tratados com medicamentos ou uso de suspensório escrotal. Porém, os que tem deterioração da função testicular, verificada por alterações na qualidade do sêmen e conseqüente infertilidade, os que tem atrofia testicular e os que sofrem por dor escrotal importante, necessitam de correção cirúrgica. Dos tratamentos cirúrgicos disponíveis, o mais empregado é aquele em que uma incisão de cerca de 3 cm é realizada na região subinguinal (próxima ao púbis); as veias varicosas são identificadas, separadas e ligadas(amarradas). A anestesia é espinhal e o período de internação hospitalar é de 24h ou menos. A dilatação das veias ainda demora algumas semanas para desaparecer. O paciente poderá voltar às suas atividades habituais em cerca de 7 dias; relações sexuais em torno de 15 dias e maiores esforços físicos em cerca de 30 dias. As complicações são as mesmas de qualquer cirurgia, além de persistência ou recorrência da varicocele(10% dos casos), hidrocele (acúmulo de líquido no escroto) em 5% dos casos e, raramente, atrofia testicular. Estas complicações poderão ser manipuladas clinicamente ou com eventuais novos procedimentos cirúrgicos. Avaliações da qualidade do sêmen através do espermograma serão realizadas aos 3, 6 e 12 meses após a cirurgia.

 

Cerca de 70% dos pacientes apresentam melhora da qualidade do sêmen entre 3 a 12 meses após a cirurgia. As taxas de gravidez variam de 30 a 40% e geralmente acontecem nos primeiros 12 meses após a cirurgia.

 

Apesar dos vários aspectos obscuros e controversos a respeito da varicocele, é inegável que ela deteriora a qualidade do sêmen em um número significativo de inférteis e que o tratamento cirúrgico devolve a fertilidade a muitos pacientes.

 

Portanto, se existir suspeita ou queixas compatíveis com a presença de varicocele, o correto é procurar um urologista TiSBU para avaliação do caso.



Saiba mais: Como é feito a cirurgia de varicocele?Mais fotos de varicocele








 

 

 

 

 

 

Map