Infertilidade masculina

A infertilidade masculina é definida como a incapacidade de engravidar a parceira após 1 ano (12 ciclos menstruais) de relações sexuais freqüentes, não protegidas, ou seja, sem uso de qualquer método contraceptivo.

Não confundir com esterilidade, que é definida como a incapacidade definitiva de engravidar a parceira.

Cerca de 15% dos casais são inférteis. O fator masculino contribui, isoladamente, em 30% dos casos.

Uma combinação de fatores masculino e feminino existe em 20% dos casos. Portanto, o fator masculino contribui para a falência reprodutiva em 50% dos casais inférteis.

 

 Muitos fatores influenciam a fertilidade de um casal, como:

- idade do homem,

- idade da mulher,

- freqüência e técnica do coito,

- uso de lubrificantes vaginais,

- passado de doenças sexualmente transmissíveis,

- exposição a produtos tóxicos ambientais,

- exposição a certos medicamentos ou,

- coexistência de algumas doenças.

 

 

Hormônios produzidos por uma região do cérebro (hipotálamo), estimulam uma glândula na base cerebral (hipófise), que por sua vez, estimula os testículos a produzirem o hormônio masculino testosterona que estimula e regula as células germinativas a produzirem espermatozóides.

Estes são armazenados e amadurecidos nos epidídimos (estruturas contíguas, anexas aos testículos).

De lá, os espermatozóides são conduzidos por dois longos e delgados condutos, os ductos deferentes (um de cada lado) até as vesículas seminais.

Nas vesículas seminais eles são misturados com sua secreção e desembocam na próstata, onde também se misturam com sua secreção.

Neste ponto, os espermatozóides mais a secreção das vesículas seminais mais a secreção prostática formam o sêmen que, antes de se exteriorizar com a ejaculação, ainda recebe uma pequena contribuição das secreções da uretra.

Várias enfermidades ou condições que acometem desde o cérebro até a uretra, podem ser responsáveis pelo comprometimento da fertilidade masculina.

Qualquer fator responsável por alterações que dificultem ou impeçam a produção adequada das células germinativas, tem como conseqüência uma diminuição ou abolição da capacidade fértil.

 

Principais causas de infertilidade masculina:

- Enfermidades do hipotálamo e hipófise,

- Enfermidades primárias dos testículos,

- Alterações do transporte do espermatozóide,

- Fatores desconhecidos

 

Em um número razoável de homens inférteis, que apresentam baixa qualidade do sêmen, apesar de exaustiva investigação, não se consegue descobrir uma causa que justifique tal condição.

Além disso, existem homens que, apesar de várias análises seminais normais, não conseguem engravidar uma parceira aparentemente fértil.

Portanto, como vimos, o assunto é extenso e complexo, o que requer estudos multidisciplinares para que se possa atuar com certeza, decisão e segurança para investigar e tratar adequada e satisfatoriamente uma condição que gera muita ansiedade além de ser muito frustrante para seu portador.

O primeiro passo para um tratamento bem sucedido, e a conseqüente gravidez da parceira, é o correto diagnóstico da situação.

Muitas causas de infertilidade masculina podem ser corrigidas; outras, apesar da impossibilidade, poderão ser contornadas com diversos métodos disponíveis de fertilização em laboratório.  









 

 

 

 

 

 

Map