Como é feito a cirurgia de prostatectomia radical?

Essa cirurgia na próstata(também chamada de prostatovesiculectomia radical) é realizada em pacientes comprovadamente com câncer inicial e visando sua cura.


A próstata pode ser retirada pela via abdominal, perineal ou laparoscópica. A forma mais comum é a primeira citada mas cada uma tem suas vantagens e desvantagens.


Na forma abdominal, o paciente é encaminhado para o bloco cirúrgico e anestesiado(normalmente uma anestesia peridural com sedação leve).O procedimento demora de 4 a 6 horas(contado o tempo de recuperação anestésica).





A previsão de permanência no hospital é de 3 dias, onde se inicia a recuperação. No primeiro dia o local do corte pode incomodar pela presença da dor principalmente ao tossir, mas um bom analgésico, prescrito pelo urologista, resolve isso.


A sonda vesical (tubo no uretra)irá permanecer no canal por até 7 dias e a urina, inicialmente avermelhada ou amarronzada por causa de sangramentos residuais, torna-se gradativamente amarelada. Essa sonda liga a bexiga diretamente com a bolsa coletora e por isso, não há a necessidade de urinar no banheiro.


A partir dos dias seguintes, o apetite volta ao normal e caminhar pelo quarto ou pelo corredor torna-se algo muito importante. Haverá prurido(coceira) no local dos pontos da pele, secundário a reação do corpo para a cicatrização, fato esperado e normal. Por incrível que pareça, nenhuma medicação ou pomada é necessária para cicatrizar a ferida cirúrgica.O soro, que promove a hidratação é retirado, após ordem médica.


Existe ainda um dreno, de portovac, que é colocado no abdome e que é normalmente retirado entre o primeiro e segundo dia. Diferentemente da sonda, que irá acompanhar o paciente quando alta hospitalar.


Na maioria dos casos, após 7 dias, a ferida operatória está seca e os pontos já foram absorvidos ou retirados(quando usa-se o nylon), está na hora da retirada da sonda vesical. Esse procedimento é rápido(15 segundos), causa um pouco de incômodo(não causa dor) e normalmente existe um descontrole para segurar a urina.





Aos poucos, com a cicatrização, a incontinência urinária irá diminuindo, acabando por completo mas podendo permanecer em alguns pacientes.


A disfunção erétil(impotência) é bem mais comum e que será tratada com medicações orais, injecções no pênis ou com a implatação de prótese peniana.

Com a cirurgia, existe a retirada das vesículas seminais além da próstata. Haverá desejo sexual, orgarmo quando ato sexual consumado mas não há saída de esperma. Esse fato caracteriza uma infertilidade do homem, mas não sua esterilidade(afinal, uma gravidez pode ocorrer se houver utilização de técnicas de reprodução assistida).

 

Após um ano, a disfunção sexual e a continência urinária podem estar presentes. Haverá necessidade de uma nova intervenção cirúrgica para colocação de próteses internas, visando a correção dessas anormalidades.

 





Leia mais: Câncer de próstata










 

 

 

 

 

 

Map