Cirurgia de aumento de pênis: eficiência ou enrolação ?

Aumentar o tamanho do pênis sempre esteve em voga nas mais diferentes culturas. Os indianos Sanhus e os peruanos Cholomecs usavam pesos para atingir um acréscimo na ordem de 30 cm a 45 cm, apesar dos órgãos se tornarem disfuncionais. A questão estética para este grupo era a mais relevante. 

 

 

 

 

No Brasil, no século XVI, os Topinama utilizavam veneno de cobras em seus órgãos para aumentá-los, apesar do relato que dizia que a dor durava cerca de seis meses. Este povo suportava tal sofrimento para agradar suas parceiras. Da mesma forma, tribos africanas acrescentavam anéis metálicos no pescoço das meninas para que estas tivessem uma fronte mais longa e bela.

A tão complexa sexualidade humana hoje é vista com maior naturalidade. Atualmente, muitos indivíduos que sentem uma inadequação relacionada ao tamanho do pênis buscam os consultórios para o milagre do aumento peniano. E vale uma ressalva especialmente para quem mantém relacionamentos heterossexuais: a vagina tem a profundidade variável que vai de 9 cm a 12 cm. A maioria dos receptores sensitivos se encontram no intróito vaginal (orifício) ou na região bem próxima a ele. Muitas mulheres sentem algum tipo de desconforto quando, no coito, ocorre o contato com o colo do útero. E a relação sexual é mais do que o contato: tem a ver com o clima, desejo, grau de excitação e “habilidade” do parceiro.


Hoje em dia, poucas são as indicações aceitas para a cirurgia. Alguns casos são:

- Neoplasia de pênis: nos casos em que é retirada uma parte, geralmente a porção distal do pênis, a cirurgia pode trazer algum beneficio ao doente;
- Micropênis: entende-se comprimentos menores que 7 cm quando ereto ou 4cm quando flácidos, incapazes de manter um relacionamento com penetração.

Os procedimentos cirúrgicos propostos para aumentar o tamanho do pênis ainda estão em desenvolvimento. São técnicas que têm eficácia contestada porque o grau de satisfação com o resultado final está mais associado aos critérios subjetivos (percepção individual do paciente) que aos critérios objetivos (medidas do pênis). Além disso, os riscos de ocorrerem prejuízos funcionais (impotência) e infecções ainda não estão bem esclarecidos. Por essa razão, os procedimentos ainda não são recomendados para uso rotineiro pela Sociedade Brasileira de Urologia.

Existem hoje descritas três formas básicas para o chamado aumento peniano:

A) Secção do ligamento suspensor do pênis: este procedimento consiste em se separar o pênis do ligamento que o prende, a púbis, retirando desta forma uma porção localizada originariamente dentro ao arco púbico ao meio exterior. Em conjunto a esse procedimento pode ser utilizado um retalho cutâneo, para se tentar, diminuir a queda do pênis que adquire a orientação inferior, mesmo ereto.

B) Injeção ácido hialurônico - Realiza-se na realidade um preenchimento, na região abaixo da pele. Qualquer ajuste pode ser feito usando a hialuronidase para desfazer o que foi feito.

 

C) Lipo-escultura: em indivíduos obesos o acúmulo de gordura ao redor da púbis assume espessura considerável, embutindo o pênis. Desta forma a retirada desta gordura gera o resultado aparente de aumento peniano. 


Resultados, riscos e complicações

Em pacientes com indicação precisa, a pouca literatura médica presente descreve aumento entre 1 cm a 2 cm em relação ao valor inicial.

Existem complicações relacionadas ao procedimento cirúrgico como impotência, secção de nervos penianos, encurtamento - no caso de fibrose extensa - perda da angulação peniana (quando o pênis aponta para baixo) e infecção. Nos casos da utilização de células de gordura a deposição pode ser irregular tornando o órgão esteticamente muito pior.

Os procedimentos cirúrgicos não são recomendados para serem utilizados rotineiramente, salvo em centros de pesquisas até que se comprovem os benefícios e os riscos.

Talvez, as dúvidas dos homens – e eventuais problemas com o pênis - sejam motivados tão somente pela vontade de satisfazer, cada vez mais, suas parceiras. Porém, há casos que uma boa conversa – e até mesmo a ajuda de um terapeuta – pode ajudar.

 

 

 

O aumento peniano, como procedimento cosmético do pênis normal, é ainda uma técnica investigacional, reservada a pacientes selecionados. Só poderá ser realizada em centros médicos credenciados, de acordo com as normas de pesquisa envolvendo seres humanos, estabelecidas pela resolução 196/96 do conselho nacional de saúde e pela resolução 1476/97 do conselho federal de medicina.

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

Map